Brasil cai 47 posições no Ranking Mundial de Solidariedade de 2018, segundo IDIS

País figura entre os 30 países com pior desempenho no ranking mundial de solidariedade (World Giving Index) organizado pela CAF - Charities Aid Foundation.

De acordo com o mais recente levantamento divulgado pelo IDIS (Instituto para o Desenvolvimento Social), Brasil caiu 47 posições no ranking geral, se tornando o último colocado entre os países da América do Sul. De um total de 146 países pesquisados, o Brasil ocupa 122º posição, enquanto que em 2017 ocupava a 75º posição. Quando separado pelas categorias, o país fica em 105º em auxílio a um desconhecido, em 109º em voluntariado e em 112º em doação financeira.O levantamento foi realizado com mais de 150 mil pessoas, o que resultou em um relatório completo com a quantidade de pessoas que doaram dinheiro, ajudaram um desconhecido ou foram voluntários no mês anterior à pesquisa, fazendo análises e comparações com os anos anteriores.

Para Paula Fabiani, diretora presidente do IDIS, isso é uma consequência da crise econômica dos últimos anos, que fez as pessoas se tornarem cuidadosas com a própria situação, deixando de lado as preocupações com a comunidade. Ela também ressalta que este resultado mostra que a cultura de doação no Brasil ainda não está consolidada.

Por outro lado, quando se trata do número de pessoas se voluntariando, o Brasil se encontra na 7ª posição, com 21 milhões de voluntários. Além disso, 68 milhões de brasileiros declararam ter ajudado pelo menos um desconhecido ao longo do mês anterior à pesquisa,, colocando o país na 6ª posição. É importante lembrar que o Brasil é um dos países mais populosos do mundo, o que explica sua posição no Top 10 de países pelo número de pessoas se voluntariando e pelo número de pessoas ajudando um estranho. Por este motivo, quando feita a proporção com a população total, o Brasil fica bem longe das primeiras posições.

O pior ponto, no Brasil e no Mundo, é a doação de dinheiro, que vem caindo desde 2015 (você pode consultar esses dados na Figura 6, página 20 do relatório). Podemos perceber que, mesmo com a grande população que existe no Brasil, o país não figura no Top 10 países pelo número de pessoas fazendo doações financeiras.

John Low, executivo chefe da CAF, lembra que “isso deve ser um alerta para toda a sociedade civil de que a solidariedade deve ser uma ação contínua.”

 

Clique aqui para acessar o relatório completo do World Giving Index (em inglês)